Feeds:
Posts
Comentários

Música lindíssima que conheci esta semana. Uma das mais lindas em muito tempo.

Simples e extraordinária. Uma homenagem merecida aos grandes que me acordaram um dia e um chamado aos que ainda insistem em ignorá-los…

 

 

“Aos Meus Herois – Julinho Marassi e Gutemberg”

Anúncios

Engraçadas as guinadas que a vida dá às vezes; com ou sem nossa permissão ela retoma, destrói, acelera ou adia os projetos e metas que buscamos. Não importa quantas horas ou dias sejam dedicados à reflexão… sempre há dúvida sobre que passo dar em seguida. Aquele destino que pintamos durante anos se torna frágil e incerto; falta certeza para pisar naquele chão que se mostra diante de nós.
Não é uma questão de coragem ou covardia, medo ou entrega… é uma questão de chance!! Dar chance a um sonho antigo, um pressentimento, uma intuição. Quero ir, quero sair, sumir… eu posso, os caminhos estão abertos, mas algo por dentro me diz pra ficar. O lado de fora me puxa, quer que eu vá, mas meus pés estão pesados e mal se movem sobre o chão.
O pior é a decepção de não ter sentido antes. O pesar de não me ter preparado…
.
Paradoxal e simultaneamente à culpa, o pulsar do recomeço, a ansiedade pelo novo e a surpresa pela inesperada mudança de planos – visando, é claro, os mesmos objetivos, porém por outros caminhos: mais simples e mais sólidos.Uma estrada plana, asfaltada e com poucas curvas. Mais que desapontamento, sinto alívio.
Decidi ficar na minha para cursar o ensino superior em História e Direito, uma escolha que me parece no momento, mais conveniente. Cada certeza em seu tempo; cada desejo tem sua oportunidade.

EXPERIMENTAR: A mais irresistível e traiçoeira das escolhas.
Depois da opção feita, só me resta buscar a solução melhor – nem sempre a mais sensata.

Tragédia Tatuada

Rabisco-me com a lapiseira
As linhas cinza formam traços indistintos
Como nuvens mutantes em um dia tranquilo.

Rios, montanhas, ondas, prédios
Desenho duas torres
Tão idênticas como gêmeas
Despertam-me uma lembrança cinza

Desenho pó, fumaça e calor
calafrio e arrepios
ouço gritos de pavor

Registro em minha pele
o último marco da história
tristeza sofrimento e dor

Três mil pessoas que se foram
tudo em nome de um senhor
Crise medo e agonia
pulítyca do terror
Propaganda tendenciosa
dinheiro jogado fora
guerra até agora!
9 anos de horror

Imagens em minha memória
pó fumaça e calor
calafrio e arrepios
ouço gritos de pavor

Mulçumanos morrendo ainda
a velha história de um povo superior.

Já foi vingança, armas químicas,
ideologia ou reservas petrolíferas
Qual a desculpa agora? Qual será esse motor?

Presidente preto, pobre e africano
mulçumano convertido em cristão
nada mudou, nada acabou
nobel despendido em vão.

O mundo nem mais se importa
desliga a televisão
É o normal, o rotineiro
Nem mais requer atenção.

O pó se assentou
a fumaça se esvaiu
O calor e os calafrios
aqueles milhares de gritos
estridentes e aflitos
ainda me arrepiam de pavor
As poucas horas
que esta década não superou.

Sem uma gota de sangue
em um dia quase tranquilo
a lapiseira me arranhou

É inevitável, não posso negar
é a realidade que me causa dor

“Faça amor. Não faça guerra”
O lema de uma geração que marcou a história do ocidente.
A década de 70 é o divisor de águas em relação às conquistas que permitem nosso atual estilo de vida – embora nem todos se deem conta disso.
Simbolizada pelo Festival de Woodstock anunciado como “Uma Exposição Aquariana: 3 Dias de Paz & Música” em agosto de 1969, a geração “Sexo, Drogas e Rock ‘n’ Roll” pregava nada mais que a liberdade, a personalidade e a vontade de cada um; e o respeito à liberdade, personalidade e vontade de cada outro. Este é seu maior legado.
Não que seja um ideal hoje contemplado, mas é o que se busca.
As gerações posteriores à contracultura (gosto de chamar “contra opressão”) não foram tão radicais, mas estiveram sempre buscando e defendendo a liberdade de expressão de suas opiniões e individualidades.
O sonho da “Sociedade Alternativa” não está perdido. Existem hoje, porém, alguns agravantes novos, e podemos dizer que houve um relativo “amadurecimento” das juventudes no decorrer desses 40 anos, afinal, não havia Crack nem AIDS quatro décadas atrás. A perspectiva de uma guerra global iminente não nos pressiona, e não somos obrigados a obedecer a um regime contra nossas convicções para preservar nossas vidas.
Vivemos uma era bem menos extrema, e isso exige de nós uma maior responsabilidade em nossas atitudes.

O legado ainda está vivo. Muros caíram e preconceitos ruíram; Leilas Dinizes não causam mais “escândalo” e Lennons e Rauls são lembrados, homenageados e imitados. Rita Lee ainda é disco de ouro após coincidentes “40 anos de sucesso” e o Poliamor atrai milhões de adeptos na Europa e nos EUA, engatinhando para a 3ª Revolução Sexual.
“Conservadores” não é um adjetivo adequado, mas “conscientes” – talvez mais acomodados, mas sem estagnação.
Os jovens, com suas diversas minorias, prosseguem em um movimento silencioso, quebrando paradigmas e promovendo uma “alternativa para a sociedade convencional”.

>
“A experiência da contracultura forneceu a evidência mais palpável, até hoje, da possibilidade de uma cultura governada pelo princípio do prazer e não pelo princípio da realidade, gerador de neurose. Pode-se dizer que a contracultura foi a primeira experiência capaz de desmentir, na prática, a suposição de Freud de que não pode haver cultura sem repressão. ”

Para quê um escritor publica um livro?

Esta charge na verdade nem é nova, mas eu a conheci hoje e gostei muito.
Um dos primeiros textos que postei neste blog foi sobre o Jorge Luis Borges e gosto demais dele. Achei a charge muito “divertida” e “séria” ao mesmo tempo:

Motivação

charge de Caco Xavier

=]

Reflexões Aleatórias III

Para quê a sonoridade?
Para quê as rimas?

Por quê rimar
se pra rimar eu preciso de uma palavra que rima
e perco a liberdade de dizer o que eu quero
pra dizer o que combina?

Reflexões Aleatórias II

A felicidade não é o objetivo maior de minha caminhada.
Busco coisas maiores e mais distantes.
A felicidade está sempre por perto, ela se vem e se vai com frequência e volatilidade.
Tampouco busco alcançar todas essas coisas maiores e mais distantes.
No dia em que não houver perguntas, estarei satisfeita.
No dia em que estiver satisfeita, estarei morta.